Skip to main content

Regresso De SimÃo Pedro

REGRESSO DE SIMÃO PEDRO
Maria Dolores
Simão Pedro desperta, além da vida humana.
Retoma, pouco a pouco, as forças da memória
Terminara, por fim, a luta insana
Do flagelo por grande pesadelo
Recorda a cruz do fim, levantada ao avesso,
Que aceitara na Terra por vitória...
Sabe que está no Além, pensando em recomeço
Do próprio apostolado...

Onde estaria o Mestre Sempre Amado?
E os outros companheiros
De ânimo nobre e forte,
Que o haviam no mundo, precedido,
Sob a perseguição sem pausa e sem sentido,
Ao encontro da morte.
A brisa da manhã suave e cristalina
Trazia-lhe perfume ao leito novo e alvo...
Indagara Simão: “Que surpresa teria?”.
Tocou o próprio corpo, achou-se são e salvo
E chorava, enlevado, em suprema alegria...
Alguns instantes mais e ouviu, enternecidamente,
Cânticos de louvor e saudação;
Alguém surgiu à porta, de repente,
Envolto em doce luz
A doar-lhe conforto e proteção...
Pedro entendeu quem era a bradou-lhe: “Jesus!”.

Erguendo-se, em seguida,
Leve e ágil, gritou: “Ave, Senhor da Vida!...”.
Cristo abeirou-se dele, a enlaça-lo sorrindo,
Depois vieram outros companheiros,
Instrutores, amigos, mensageiros,
Do júbilo fazendo o festival mais lindo...
Pedro enxergou, feliz, os vergéis exteriores...
Eram jardins imensos,
Recheados de flores.
Em profunda euforia,
O ditoso Simão
Tomou a si a mão
Que Jesus lhe estendia
E disse, quase em pranto:
- Senhor; estou cansado,
Não mais me distancies de teu lado...
Trago comigo a dor
Dos que moram no mundo,
Aquele imenso caos, cada vez mais profundo,
De penúria, fadiga e sofrimento...
Não desejo perder as luzes que hoje alcanço,
Permite-me, Senhor ficar contigo,
Neste celeste abrigo...
Alma e Vida
Chico Xavier